Nutrição

Nutrição e Doenças Cardiovasculares

Texto: Letícia Silva Pimentel

 

Hábitos alimentares saudáveis reduzem significativamente as chances de se desenvolverem doenças cardíacas. A posição da American Dietetic Association (ADA) é que crianças entre 2 e 11 anos devam ter uma alimentação saudável e ter atividade física regular para promover um ótimo desenvolvimento físico e cognitivo, atingir um peso saudável e reduzir o risco de doenças crônico-degenerativas (DCD), como as doenças coronarianas, câncer, acidentes vasculares cerebrais e osteoporose.

A obesidade infantil tem se mostrado como forte influência na morbimortalidade do adulto, e crianças com excesso de peso tendem a ser adultos obesos, o que aumenta as suas chances de terem doenças cardíacas, hipertensão arterial, diabetes mellitus do tipo II, osteoartrite e alguns tipos de câncer.

 

Influência da Alimentação nas Doenças Cardiovasculares

 

O consumo excessivo de gorduras, especialmente de gordura saturada, tem sido associada ao desenvolvimento de DCD, como a aterosclerose.

Os ácidos graxos ômega-3 reduzem sensivelmente os níveis séricos dos triglicerídeos.

Os ácidos graxos do óleo de peixe reduzem a coagulação do sangue e podem reduzir o risco de doenças cardíacas.

O consumo de fibras reduz o risco de diversas DCD, inclusive as doenças cardiovasculares, obesidade, diabetes mellitus, e câncer de cólon. Dietas ricas em fibras também contêm menos gorduras, colesterol e calorias do que as dietas pobres em fibras.

As fibras auxiliam o sistema digestório, ajudando na sua regulação. As fibras solúveis ainda trazem benefício ao sistema circulatório, reduzindo os níveis séricos de colesterol.

Pesquisas têm apontado para outro fator de risco para doenças cardiovasculares: a homocisteína, um aminoácido, produzido pelo próprio organismo que, em determinada concentração no sangue, pode causar infarto, acidente vascular cerebral, hipertensão arterial, arteriosclerose etc.

        Para prevenir níveis alterados desta substância, deve-se consumir alimentos ricos em ácido fólico, principalmente, e também vitaminas B6 e B12.

Outro ponto pouco abordado pelos estudiosos é o benefício econômico de uma dieta equilibrada em gorduras.

Em um estudo feito em 1996, nos Estados Unidos, estimou-se que se a população americana reduzisse a ingestão de gordura saturada em 9% do total consumido, seriam evitados 100.000 novos casos de doenças coronarianas até 2005, com o custo equivalente a 13 bilhões de dólares.

 

Algumas Dicas Importantes:

As chances de se desenvolver doenças cardiovasculares podem diminuir dramaticamente se a alimentação for saudável. Muitas vezes, as informações parecem ser confusas, mas algumas dicas podem fazer com que a alimentação saudável se torne um hábito bem simples:

- Aumente gradualmente o consumo de grãos integrais, frutas com casca e vegetais crus;

Consuma frutas ou vegetais no lugar dos tradicionais "lanches rápidos"

- Use apenas carnes magras (grelhadas, assadas, cozidas), e dê preferência a peixes e aves;

- Use pouco óleo para cozinhar; use óleo vegetal;

- Experimente usar leguminosas (feijão, lentilha, soja etc) e oleaginosas (nozes, amêndoas, castanhas etc) como fonte protéica;

- Consuma leite e derivados desnatados ou semidesnatados.

* Não se esqueça da atividade física. O melhor modo de manter o coração em forma é através da atividade aeróbica regular.

 

Fonte: www.hub.unb.br/assistência/informações/nutcardiovascular.htm

Faça o download do arquivo clicando Aqui

VEJA TODOS OS ARTIGOS.